segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Resenha: Filme - A Mulher de Preto (2012)

During afternoon tea, there’s a shift in the air.
A bone-trembling chill that tells you she’s there.
There are those who believe the whole town is cursed.
But the house in the marsh is by far the worst.
But she wants is unknown, but she always comes back.
The specter of darkness, the Woman in Black.


Fala galera, a resenha de hoje é sobre o novo filme do Daniel "Harry Potter" Radcliffe. A Mulher de Preto é um filme de Terror Gótico, da antiga produtora Hammer (em sua nova fase). Quando eu vi o trailer, fiquei (como sempre) pé atras, afinal, com esta leva de filmes de terror, com roteiros fracos e clichês, imaginei que fosse apenas "mais um". dentre os filmes atuais. Talvez um filme "caça níquel", aproveitando a vontade do Daniel Radcliffe de fazer filmes diferentes, para escapar da maldição que recai sobre os atores que passam muito tempo interpretando um mesmo personagem. Algo semelhante ao Elijah Wood, que após a Trilogia do Senhor dos Anéis, fez um torcedor fanático em Hooligans, e um psicopata canibal em Sin City, para tentar tirar a imagem de Frodo em seus trabalhos.


Ainda na duvida se valeria a pena ver o filme no cinema, consultei o IMDB, e vi que o filme recebeu a nota 7.1 no site. Quem costuma consultar o site, sabe que esta é uma nota boa (filminhos ruins não costumam receber mais que 4.0 de nota). Este foi o ponto definitivo para minha decisão, fui até o cinema e assisti o filme, vou passar minhas impressões sobre ele no decorrer do post. Por enquanto, segue o trailer e a sinopse:
(Gosto deste trailer, pela poesia que a menina fala, melhor que o primeiro trailer que eu havia visto).


Sinopse: Adaptação do romance homônimo de Susan Hill, na história Arthur Kipps é um jovem advogado que viaja a uma pequena cidade britânica para examinar documentos de um cliente que morreu. Ali, vivendo numa casa velha e isolada, começa a ser assombrado por fantasmas e descobre segredos terríveis da família.

Resumo da Obra: 

O filme se passa em 1910, Arthur (Radcliffe) é um advogado viúvo, que sustenta o filho pequeno, Joseph. Ele esta com problemas no trabalho, prestes a ser mandado embora. Seu chefe lhe dá a tarefa de ir até um vilarejo no interior da Inglaterra, para examinar a papelada de uma cliente, que faleceu a pouco tempo. Fica claro que se Arthur não executar este trabalho com perfeição, ele perderá o emprego. 
Ele planeja ir no meio de semana para o vilarejo, passar alguns dias lá, trabalhando na analise dos documentos. E no final de semana, receber seu filho (junto da Babá) para passarem o fim de semana juntos, naquele vilarejo costeiro. Porém a vida não é simples, logo ao chegar, Arthur é muito mal recebido pelas pessoas do vilarejo, mal conseguindo um lugar para dormir. 
Estas sequencia é muito boa, é possível sentir a rejeição daquele povo interiorano, que não é acostumado a lidar com pessoas de fora, que não entendem como as coisas funcionam ali. Você se sente tão rejeitado quanto o protagonista, adquirindo certa raiva daquele povo xucro.


Finalmente ele vai conhecer a casa da falecida Alice Drablow, a residencia fica afastada do vilarejo, para  chegar até lá, é preciso percorrer uma longa estrada, cercada pelo mar. Quando a maré sobe, a estrada fica encoberta pelo mar, e a casa, junto do terreno em volta, fica literalmente ilhada, no meio do nada. Isto por si só já é algo que causa certo pânico, afinal, se o lugar for assombrado, não tem como simplesmente ir embora a qualquer horário. Apenas nos horários certos, quando a maré esta baixa, é possível sair de lá, de volta a civilização. 
Arthur descobre que a falecida proprietária da casa, cometeu suicídio, e que seu filho havia morrido algum tempo antes, afogado no lamaçal que cerca a propriedade. Da janela em um dos cômodos, é possível ver uma grande cruz de madeira, sugerindo que o corpo da criança ainda está lá em algum lugar, afundado na lama, sem ter sido encontrado. 

Arthur na frente da antiga Mansão. 
Nesta primeira visita, Arthur vê pela primeira vez, o vulto da mulher de negro. Após isto, conforme passa os dias, crianças no vilarejo vão morrendo, de formas terriveis. O protagonista se vê preso em uma sinistra maldição, que assola aquelas pessoas a anos. Acabamos por fim, esquecendo a raiva inicial daquelas pessoas simples, pois vamos aos poucos vendo o quanto aquele povo sofreu, nos últimos anos.


Além do protagonista, outros personagens interessantes, são o Sr. Bentley (Roger Allan) e sua esposa, casal mais rico do vilarejo (os únicos que tem um carro). Eles perderam o filho há algum tempo, e a Sra. Bentley acredita que pode falar com o filho, no reino dos mortos, como uma medium. Além deles tem a esposa do dono da hospedaria, que tenta ajudar e prevenir o personagem principal, dos problemas locais.

O cético Sr. Bentley. 
Produção:

O filme é incrivelmente bem produzido, o vilarejo e a casa existem de verdade. O vilarejo se chama Cotterstock, e a casa usada para as filmagens, na verdade é a prefeitura do local. A produção deixou o local exatamente como uma mansão assombrada deveria ser. Escura, cheia de portas e janelas de estilo gótico. Diversos quadros e estatuas espalhadas pelo local, muita poeria e teias de aranha. Fotos e documentos espalhados pelas mesas e pelo chão, brinquedos do falecido filho da proprietária, animais empalhados, etc...

Imagem verdadeira do local. 
Alem do cenário bem feito, o filme mescla varias técnicas de filmes de terror.
Temos os clássicos momentos de susto, em que a trilha sonora vai ficando baixa, o personagem vai se aproximando de algo e... ENTÃO, levamos um susto, de algo justificável (um fantasma apareceu), ou de algo injustificável (era apenas um pássaro, nada demais...). Esta é estrategia básica de qualquer filme de terror, principalmente dos "filmes sustos", aqueles no qual a historia é fraca, mas que foi feita para a cada 5 min, alguém tomar um susto. 
Além desta técnica, temos aqueles momentos de suspense, onde algo no fundo da tela acontece. Este tipo de "susto" é o meu favorito. Causa tensão, porque é rápido e só quem esta prestando a atenção, se assusta. Ver um vulto no fundo da tela, ver algum brinquedo se movendo sozinho, ou uma sombra estranha... Tem um momento no filme, que parece que os olhos de um brinquedo estão se movendo, mas segundos depois entendemos que era apenas o reflexo da luz da vela que o protagonista estava carregando (ou talvez seja apenas a explicação racional, que tentamos acreditar). 
Por fim, temos o horror, a aparição de fantasmas, o personagem enfrentando algo sombrio. Ou as cenas em que crianças estão morrendo, nos causando choque e repulsa. 


Esta mistura de estilos, deixa o espectador tenso o filme todo. Este não é o tipo de filme pra se assistir com muita gente, é um filme que cria toda uma atmosfera, deve ser assistido em silencio, sem muita conversa, em um local tranquilo, no escuro. Assistir de dia, com muitas pessoas conversando, fará com que você perca metade da boa experiencia (e sustos) de ver o filme. De qualquer forma, mesmo em um cinema lotado de garotinhas pré-adolescentes escandalosas, consegui ficar imerso na historia do longa. 

O Personagem Principal:

Arthur Kipps - O que seria dos filmes de terror, sem os corajosos protagonistas ?

Arthur é um homem amargurado, que perdeu a mulher amada, que tem que se sujeitar ao patrão, porque não pode ficar sem emprego. Não é uma pessoa de sorriso fácil, agindo sempre de forma obstinada e corajosa. Na verdade, apesar de ser característica comum de filmes de terror, os protagonistas serem corajosos. Arthur é um dos mais corajosos que eu já vi. Não é só o fato de querer salvar o emprego e cuidar do filho, que o mantem firme. Ele realmente quer resolver a situação. Obstinado ao extremo, não é o tipo que tampa os olhos, fica berrando desesperadamente, dá escanda-lo e etc. Embora, como uma pessoa normal ele sinta medo, sua postura é digna até o fim do filme. Talvez isto seja a unica coisa em comum, deste personagem com o Harry Potter, enfrentar o mal até o fim, embora o Harry Potter tenha tido a ajuda dos amigos, enquanto Arthur, se vira a maior parte do tempo sozinho. Fora isto, ao contrário do que outros críticos dizem por ai. Não consegui pensar em Harry Potter durante o filme. Daniel Radcliffe interpretou muito bem, agindo como alguém que já passou por muita coisa na vida. Educado e profissional, ele é apenas um homem tentando levar a vida, do jeito que ele acredita, que um bom homem britânico deveria levar. 

Conclusão: 


 A Mulher de Preto é um filme muito bom, a historia é simples e bem amarrada, não chega a ser algo inovador, porém é eficiente e consegue passar medo e tensão, com um bom final (que vai deixar os mais sensíveis, com pesadelos a noite). Esta historia, junto da ótima produção, tornaram o filme gratificante. É como uma receita de bolo, todos os ingredientes (atuação, roteiro, produção) na medida certa, tornam o resultado final altamente satisfatório. No final o objetivo é cumprido, o espectador se envolveu com o filme, levou muitos sustos e se divertiu.
Recomendo, para quem gosta de um bom terror, com influencia forte dos antigos filmes de terror gótico das décadas de 60 e 70.

Espero que tenham gostado da Resenha, assistam o filme e postem aqui seus comentários. Até a próxima galera ^^.


4 comentários:

  1. Fabiii, eu te invoco... comente aki \o

    ResponderExcluir
  2. Boa resenha, Samedi! Vou conferir o filme.

    ResponderExcluir
  3. fiquei morrendo de vontade de ver este filme, desde o dia que vc comentou sobre ele no carro na ida pro live de sampa.

    quem sabe eu veja no fds =D

    ResponderExcluir
  4. Agora sim!

    Samedi, seus posts são super completos aqui neste Blog! Recheados de informações e fotos e tudo mais. Isso é muito bom, parabéns!

    Quanto este filme... Eu não assisto filme de terror, nem dos mais bobos! Fico morrendo de medo :S

    hahahaha

    e este ator... Será que consegue se livrar da maldição Potteriana?
    haha

    beijos!!

    ResponderExcluir